Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

tvPRIME

Filme português 'Thursday Night' seleccionado para o Festival de Sundance 2018

thursday-night-motelx-banner.jpg

 

A curta-metragem portuguesa 'Thursday Night', de Gonçalo Almeida, está selecionada para a competição de curtas-metragens do Festival de Sundance 2018, o maior festival de cinema independente norte-americano e um dos mais prestigiados do mundo.

 

Inspirada no álbum 'Thursday Afternoon' (1985), de Brian Eno, a curta-metragem é um thriller fantástico protagonizado por duas cadelas: a dócil Bimbo que uma noite recebe a visita da misteriosa Dakota para lhe entregar uma mensagem.

 

Esta tem marcado presença em vários festivais de cinema no estrangeiro e em Portugal. O filme venceu o prémio de Melhor Curta-Metragem Portuguesa na última edição do MOTELX - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa e o prémio de Melhor Realizador na secção Horror Shorts do Fantastic Fest, Austin, Texas.

 

O Festival de Cinema de Sundance decorre entre os dias 18 e 28 de janeiro de 2018 em Park City, no Utah.

 

Selecção Oficial do Festival de Sundance 2018

sundance-film-festival-banner.jpg

 


A Seleccção Oficial do Festival de Sundance 2018 foi disponibilizada. Este ano o festival conta com um total de 110 filmes, inseridos em 9 categorias.

 

O Festival de Sundance decorre de 18 a 28 de Janeiro de 2018. Para mais informações, visite o site oficial.

 

COMPETIÇÃO DRAMA (E.U.A)
'American Animals', de Bart Layton
'Blaze', de Ethan Hawke
'Blindspotting', de Carlos Lopez Estrada
'Burden', de Andrew Heckler
'Eighth Grade', de Bo Burnham
'I Think We're Alone Now', de Reed Morano
'The Kindergarten Teacher', de Sara Colangelo
'Lizzie', de Craig William Macneill
'The Miseducation of Cameron Post', de Desiree Akhavan
'Monster', de Anthony Mandler
'Monsters and Men', de Reinaldo Marcus Green
'Nancy', de Christina Choe
'Sorry to Bother You', de Boots Riley
'The Tale', de Jennifer Fox
'Tyrel', de Sebastian Silva
'Wildlife', de Paul Dano

 

COMPETIÇÃO DOCUMENTÁRIO (E.U.A.)
'Bisbee '17', de Robert Greene
'Crime + Punishment', de Stephen Maing
'Dark Money', de Kimberly Reed
'The Devil We Know', de Stephanie Soechtig
'Hal', de Amy Scott
'Hale County This Morning, This Evening', de RaMell Ross
'Inventing Tomorrow', de Laura Nix
'Kailash', de Derek Doneen
'Kusama - Infinity', de Heather Lenz
'The Last Race', de Michael Dweck
'Minding the Gap', de Bing Liu
'On Her Shoulders', de Alexandria Bombach
'The Price of Everything', de Nathaniel Kahn
'Seeing Allred', de Sophie Sartain e Roberta Grossman
'The Sentence', de Rudy Valdez
'Three Identical Strangers', de Tim Wardle

 

Os vencedores do Lisbon & Sintra Film Festival 2017

leffest-2017-banner.jpg

 

O final do festival é marcado pela entrega de prémios aos filmes vencedores do Lisbon & Sintra Film Festival.

 

O filme russo 'Tesnota', de Kantemir Balagov, foi o grande vencedor da 11ª edição do LEFFEST, arrecadando o Prémio de Melhor Filme e o Prémio Revelação TAP, pela prestação da actriz Olga Dragunova. 'Cocote', de Nelson Carlo de los Santos Arias, recebeu o Prémio Especial do Júri.

 

O júri desta edição do Lisbon & Sintra Film Festival, composto por David Cronenberg, Ildikó Enyedi, Hanan Al-Shaykh, Momo Kodama e Ersi Sotiropoulos, atribuiu os seguintes prémios:

 

Prémio Melhor Filme Jaeger-LeCoultre
'Tesnota'

 

Prémio Especial do Júri "João Bénard da Costa"
'Cocote'

 

Prémio Revelação TAP – Melhor Actriz
Olga Dragunova – 'Tesnota'

 

Prémio NOS Melhor Filme - Escolha do Público
'Call Me by Your Name'

 

Prémio para a Melhor Curta-Metragem
'A Man, My Son'

 

Menções Honrosas
'Les Yeux Fermés'
'Heimat'

 

Lisbon & Sintra Film Festival 2017 presta homenagem a Isabelle Huppert

leffest-2017-banner.jpg

 

Na sua 11ª edição o LEFFEST - Lisbon & Sintra Film Festival, que decorre de 17 a 26 de Novembro, apresenta mais de 180 filmes, 13 na Selecção Oficial em Competição e 17 Fora de Competição, títulos inéditos em Portugal, alguns deles premiados nos mais reputados festivais internacionais.

 

Na Selecção Oficial (Competição e Fora de Competição), destaque para 'Last Flag Flying', de Richard Linklater; 'The Square', de Ruben Östlund; 'It Comes at Night', de Trey Edward Shults; 'The Day After', de Hong Sangsoo; 'I Love You, Daddy', de Louis C.K.; 'Verão Danado', de Pedro Cabeleira e 'Darkest Hour', de Joe Wright.

 

De entre os mais de 90 convidados, Isabelle Huppert, David Cronenberg, Sara Driver, Gidon Kremer, Stephen Kovacevich, Don DeLillo, Enrique Vila-Matas, Peter Brook, Robert Pattinson, Willem Dafoe, Julian Schnabel, Mathieu Amalric, Abel Ferrara, Jean-Claude Carrière, Ildikó Enyedi, João Mário Grilo, José Vieira ou Rodrigo Rey Rosa são apenas alguns dos muitos nomes que protagonizarão encontros com o público.

 

David Cronenberg é o presidente do júri da Selecção Oficial – Em Competição, que conta ainda com Ersi Sotiropoulos (escritora grega), Hanan Al-Shaykh (escritora libanesa), Ildikó Enyedi (realizadora/argumentista húngara), Mónica Calle (actriz/encenadora portuguesa) e Momo Kodama (pianista japonesa).

 

O LEFFEST’17 prestará homenagem a Isabelle Huppert, com a exibição de uma retrospectiva da sua obra e a inauguração pela actriz francesa - no dia 18, às 12h00, no MU.SA Museu das Artes de Sintra - da mostra fotográfica 'Woman of Many Faces', com mais de cem fotografias e trabalhos em vídeo de artistas de renome internacional.

 

O festival fará ainda retrospectivas de Abel Ferrara, Alain Tanner, Julian Schnabel, João Mário Grilo, José Vieira e Peter Brook. O encenador britânico encerra no Teatro Nacional D.Maria II a digressão mundial do seu mais recente trabalho, 'Battlefield'. Ainda no Teatro, 'Ensaio Para Uma Cartografia', de Mónica Calle, terá duas representações numa versão actualizada pela encenadora no Centro Cultural Olga Cadaval.

 

Para além da interligação com o Teatro, o LEFFEST aposta no cruzamento com a Música, a Literatura e as Artes Plásticas.

 

Pode consultar toda a programação em http://www.leffest.com/programa

 

Críticas Curtas | 'La Noche del Virgen' (MOTELX 2017)

noche-del-virgen-motelx-banner.jpg

 

Pode dizer-se que 'La Noche del Virgen', a primeira longa-metragem do realizador espanhol Roberto San Sebastian, é uma comédia de terror um pouco diferente do habitual. Uma inversão de géneros apresentada de forma macabra e nada súbtil.

 

A comédia – que se mantém ao longo de todo o filme de forma consistente – é das poucas coisas que ajudam o espectador a manter a boa disposição. Isto porque o horror toma formas grotescas, onde cada acção parece querer superar o choque que a cena anterior causou. Situações e elementos do nosso dia-a-dia que causam repulsa, são expostos sem qualquer tipo de pudor ou preconceito, tornando esta numa das comédias de terror mais originais dos últimos tempos.

 

'La Noche del Virgen' é divertido, chocante, cómico e levado a extremos, o que o torna único mas que dificilmente vai agradar às massas – principalmente a quem é mais impressionável. É um filme que não se esquece, mas que dificilmente se vai querer ver de novo.

 

 

4star.gif

 

Críticas Curtas | 'Happy Hunting' (MOTELX 2017)

happy-hunting-motelx-banner.jpg

 

'Happy Hunting' é um perfeito exemplo de estilo sobre substância. Uma cinematografia esplendorosa, onde inúmeras imagens enchem o ecrã com belos momentos de arte, e onde se usa (e abusa) da "hora mágica". No que toca à estória, a mesma é da espessura de uma folha de papel. Sabemos o que motiva o protagonista a mover-se do ponto A ao B, mas sem qualquer informação adicional. Não existe um desenvolvimento (necessário) das personagens, o que as torna unidimensionais e vazias. Essa total ausência de contéudo cria um afastamento no espectador, que observa um mero espectáculo de acções e reacções, sem se preocupar minimamente com os objectivos do protagonista.

 

Um filme é habitualmente composto por várias partes, desde o elenco (que aqui faz o possível com o que lhe é dado), ao argumento, à visão do realizador e o respectivo orçamento para conseguir tornar essa visão uma realidade. Aqui existiu somente a concretização de uma delas, a visão, o que acaba por transformar 'Happy Hunting' num filme que não fica na memória por muito tempo.

 

2star.gif

 

Destaques da 21.ª edição do Festival Queer Lisboa

queer-lisboa-21-banner.jpg

 

A 21.ª edição do Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer realiza-se de 15 a 23 de setembro no Cinema São Jorge, com a exibição de 90 filmes oriundos de 32 países.

 

A retrospetiva deste ano é dedicada à artista multimédia Shu Lea Cheang, e tem lugar no Cinema São Jorge e no MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado. O filme 'God’s Own Country', do britânico Francis Lee, é o escolhido para a Noite de Abertura do Queer Lisboa 21, enquanto que 'Mãe Só Há Uma', de Anna Muylaert, encerra o Festival.

 

Na Competição de Longas-Metragens destaque para 'As You Are', que em 2016 valeu a Miles Joris-Peyrafitte o prémio Especial do Júri em Sundance; 'Beach Rats', que este ano deu à cineasta Eliza Hittman o prémio de Melhor Realização, também em Sundance; 'The Beach House', primeira longa-metragem do libanês Roy Dib; 'Los Objetos Amorosos', de Adrián Silvestre, que se foca nas migrações e identidades sexuais na Europa de hoje; 'Pieles', de Eduardo Casanova, que retrata a forma como a aparência física nos condiciona na sociedade; e 'Close-Knit', da japonesa Naoko Ogigami.

 

Para a Competição de Documentários destaque para 'Abu: Father', a autorrepresentação da família fragmentada de um cineasta muçulmano, paquistanês e gay, Arshad Khan; 'Homogeneous, Empty Time', de Thunska Pansittivorakul e Harit Srikhao, que dá uma visão queer das realidades sociais e politicas da Tailândia; 'Au-delà de l’Ombre', de Mezni Hafaiedh, expõe a realidade tunisina e os efeitos de uma sociedade homofóbica num grupo de jovens; 'My Mother is Pink', primeiro documentário da jornalista Cecilie Debell, é um road movie sobre uma relação conturbada entre um filho e a sua mãe; e 'The Strangest Stranger', de Magnus Bärtås, onde conhecemos melhor o homem que inspirou Haruki Murakami no seu popular romance Kafka à Beira Mar.

 

Os vencedores do Festival MOTELX 2017

thursday-night-motelx-banner.jpg

 

A 11.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa chegou ao fim este Domingo com a habitual entrega dos prémios.

 

'Thursday Night' de Gonçalo Almeida é o grande vencedor do Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa/Méliès d’Argent 2017. O júri composto pela actriz Maria João Bastos, o músico Carlão e o realizador Can Evrenol decidiu atribuir o prémio a esta curta-metragem “pela história, pela direcção, pela fotografia e pelos actores”, acrescentando que se trata de “um filme que nos marcou muito, que consideramos único e que certamente ficará na nossa memória”. Uma história de fantasmas só com animais, 'Thursday Night' foi inspirado pelo álbum 'Thursday Afternoon' de Brian Eno. O júri decidiu ainda atribuir uma Menção Especial a 'Depois do Silêncio' de Guilherme Daniel, cujo trabalho de “argumento e fotografia” considerou “muito promissor”.

 

Na competição internacional, 'Cold Hell' de Stefan Ruzowitzky venceu o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia /Méliès d’Argent 2017. Uma decisão que o júri composto pelo crítico Kim Newman e os actores Rogério Samora e Iris Cayatte considerou “clara” devido à sua “relevância contemporânea, acção emocionante e imaginativa e excelentes performances de todo o elenco”. 'Cold Hell' é um thriller político passado numa Alemanha multicultural que conta a história de uma jovem taxista de origem turca perseguida por um assassino em série. “Filme excepcional que combina elementos do serial killer thriller com o terror”, esta é a mais recente longa-metragem de Ruzowitzky, que em 2008 venceu o Óscar para Melhor Filme Estrangeiro com 'The Counterfeiters'. O realizador e a actriz Violetta Schurawlow estiveram presentes na Sessão de Encerramento do MOTELX para receber o Prémio.

 

A competição de longas-metragens europeias foi inaugurada em 2016 e teve este ano oito filmes a concurso. 'Cold Hell' sucede ao checo 'The Noonday Witch' de Jirí Sádek e fica nomeado para o Prémio Méliès d’Or, à semelhança da curta 'Thursday Night'.

 

Os vencedores do Festival de Veneza 2017

festival-veneza-logo.jpg.jpg

 

Os vencedores da 74.ª edição do Festival de Veneza foram anunciados este Sábado. O grande vencedor foi 'The Shape of Water', de Guillermo del Toro, ao arrecadar o Leão de Ouro. O Grande Prémio do Júri foi para 'Foxtrot', de Samuel Maoz, enquanto que o prémio de Melhor Realizador foi entregue a Xavier Legrand, por 'Custody'.

 

COMPETIÇÃO VENEZA 74

 

Leão de Ouro
'The Shape of Water', de Guillermo del Toro

 

Leão de Prata (Grande Prémio do Júri)
'Foxtrot', de Samuel Maoz

 

Leão de Prata (Melhor Realizador)
Xavier Legrand, por 'Custody'

 

Coppa Volpi para Melhor Actriz
Charlotte Rampling, em 'Hannah'

 

Coppa Volpi para Melhor Actor
Kamel El Basha, em 'The Insult'

 

Melhor Argumento
Martin McDonagh, por 'Three Billboards Outside Ebbing, Missouri'

 

Prémio Especial do Júri
'Sweet Country', de Warwick Thornton

 

Prémio Marcello Mastroianni para Melhor Jovem Actor/Actriz
Charlie Plummer, em 'Lean on Pete'

 

 

HORIZONTES

 

Melhor Filme
'Nico, 1988', de Susanna Nicchiarelli

 

Melhor Realizador
Vahid Jalilvand, por 'No Date, No Signature'

 

Prémio Especial do Júri
'Caniba', de Véréna Paravel e Lucien Castaing-Taylor

 

Melhor Actriz
Lyna Khoudri, em 'Les bienheureux'

 

Melhor Actor
Navid Mohammadzadeh, em 'No Date, No Signature'

 

Melhor Argumento
Alireza Khatami, por 'Los Versos Del Olvido'

 

Melhor Curta-Metragem
'Gros Chagrin', de Céline Devaux

 

Prémio Leão do Futuro
'Custody', de Xavier Legrand

 

Críticas Curtas | 'Super Dark Times' (MOTELX 2017)

super-dark-times-motelx-banner.jpg

 

'Super Dark Times', filme que abriu o Festival MOTELX 2017, é um astuto estudo sobre a perda da inocência, excelentemente interpretada por um elenco maioritariamente jovem.

 

Com uma bela cinematografia e uma narrativa que se vai desenvolvendo a um ritmo lento (mas nunca aborrecido), este forte thriller demonstra de forma honesta (e por vezes assustadora) tensões e angústias de um grupo de amigos, onde um incidente muda as suas vidas para sempre.

 

O que sobressai neste filme é o seu investimento emocional, causado por um retrato da adolescência que parece tudo menos artificial. Uma narrativa que se desenvolve de forma harmoniosa e natural – excluindo alguns detalhes do último acto, onde parece existir a necessidade de nos (re)lembrar o género em se insere.

 

Comparado por muitos como uma mistura entre 'Donnie Darko' e 'Stand By Me', 'Super Dark Times' é um excelente thriller que se desenvolve de forma inesperada e emotiva, criando uma fácil empatia entre o espectador e as personagens.

 

4star.gif